segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Histórias Megaboguenses


Voltamos sim!
De ânimo renovado,algumas coisas novas,outras nem tanto mas estamos aqui.
Nesta seção do blog,vocês vão saber as verdadeiras histórias dos heróis e anti-heróis dos video games.Tudo que os jogos não contam mas que é a mais pura verdade!
Geralmente a história será dividida em partes,pra não ficar cansativo.
Começamos por um dos personagens mais megaboga de todos os tempos: Kratos!
Então,chega de papo e vamos lá!





"Olá.

Meu nome é Kratos e a real história começa mais ou menos assim:


Chovia,mas chovia muito mesmo e minha péssima memória só me permite lembrar que eu acordei num barco.Ok,vocês devem estar querendo saber como fui parar aqui.Talvez tenha sido um boa noite cinderela que bebi na festa que entrei de penetra,talvez tenha sido excesso de álcool,pois a festa tava chata pacas,cheia de convidados se achando deuses.

Ah,como isso me enche!Todos se achando deuses indispensáveis.

Enfim,decidi começar a encher a cara,pois diferente do que é contado por aí,minha mulher não morreu,foi embora.Me deixou pra fugir com meu melhor amigo,tudo porque não coloquei peles de carneiro no box.

Devo ter tomado várias garrafas de algo amargo e alcoólico e depois não lembro de mais nada.Apagão total.

Assim como todo bêbado inveterado,acordei sem ressaca mas olhando pra porta no inferno cheio de caveirinhas psicodélicas armadas querendo me bater.

Realmente eu estava longe de casa.Mas onde?Isso só o fundo do copo sabia....

Já que estava sem opção,tinha perdido carteira e os passes da charrete o jeito foi apelar pro material sadomaso que sei la porque cargas d’agua estava comigo.

Primeiro de tudo,quero esclarecer que não são meus.E se fossem ninguém tem nada a ver com isso!

O jeito foi aprender a usa-los e sentar a pua geral.

Desci a porrada e a cada inimigo abatido,framboesa exalava deles e eu inalava legal.Adoro framboesa!

Alguns tinham aroma de hortelã e outros ainda aroma de menta,mas confesso que não curtia muito pois o que me deixava feliz eram as framboesas.

Rolam boatos por aí que eu vendi minha alma prum tal de ARES,sujeitinho metido a deusinho de meia tigela,dono duns morros e tal,além dele próprio dizer por aí que eu fazia uns servicinhos particulares pra ele.Isso me incomodava e me motivava ao mesmo tempo.Foi justamente por isso que me enfiei na festa: pra ver se esbarrava com ele por la e descia a porrada nesse safado.Como já havia dito, a festa tava chata,então já fica meio óbvio que ele não tava por la.

Não sou um lutador de muitas palavras e quando decido que vou moer alguém na porrada eu vou mesmo sem aviso prévio..."





Continua...............

2 comentários:

Comente, além de ser a nossa força para continuar, saberemos o que você acha do nosso trabalho.