quinta-feira, 30 de julho de 2009

Review Black



Black, um dos melhores (senão o melhor) FPS para PS2. Lançado em 2006 pela EA , deselvolvido pelo sempre excelente estúdio da Criterion Games. Você é o Sargento Jack Kellar, líder da B.L.A.C.K OPS. Grupo de elite da CIA. Você presenciou um ataque terrorista durante uma missão em terras da antiga União Soviética. Agora será interrogado para esclarecer seu comportamento (Jack desobedece ordens). Cabe a você encarnar o sargento durante as batalhas que ele está contando.
A história não é o ponto forte do jogo, realmente não faz você se interessar por ela. Mas os gráficos e sons do game dão um verdadeiro show. Na primeira missão os gráficos já explodem na sua cara, explosões muito bem feitas tomam conta do cenário, você atira no inimigo, acertou a parede? Ela se despedaça. Você pode literalmente tranformar uma estrutura num queijo-suíço. Prova disso, ainda na 1ª missão, é quando você invade a biblioteca. Depois de derrotar os inimigos, volte-se para a parede atrás de você, ela estará em frangalhos. Basicamente não há nada que suas balas não destruam, atire numa placa e ela caírá, atire num letreiro e ele se despedaçará. Física extremamente realista, o único "porém", é que não há sangue. Devido uma ordem da EA o sangue foi trocado por uma espécie de fumaça preta, o efeito até é legal, mas tira muito do realismo.
Ainda falando dos gráficos, efeitos de blur são muito bem usados, o fogo é perfeito. E agora uma parte que merece muita atenção, o som. Não há música ao fundo, em algumas missões você necessita ser silencioso, mas um pipoco que ricochetear, chamará atenção dos guardas. Aí o tiroteio começa. Você ouve perfeitamente todos os sons, as armas atirando, o zunindo das balas passando por você, as granadas explodindo. Tudo isso com tamanha perfeição e realismo que você acaba ficando envolvido na batalha.
O game conta com 16 missões, poucas, porém as 5 últimas são muito longas e difíceis. A ultima missão dura quase 3 horas, o cenário é enorme, e inimigos surgem de todos os lados. Aliás, esse é um ponto à se ressaltar, os inimigos são burros. Você joga uma granada entre eles e o máximo que eles fazem é dar dois passos pro lado. Eles tem medo de você, e pelo jeito também tem medo de escadas. Se você está no topo de uma, eles não subirão ela e quando você sair do angulo de visão deles, continuarão atirando no ultimo lugar que te viram. Fora isso, eles usam uma "armadura" que torna quase impossível o "headshot", ou você desgarrega um pente inteiro no peito dele, ou tente acertar a cabeça no momento exato que ele carrega a arma, deixando assim um espaço entre o colete e o pescoço. Sério, dar 15 tiros da cabeça de um cara, por mais bem equipado que ele esteja, deveria matá-lo.
Sua morte também é inevitável. Os cenários são enormes, e as vezes você tem que sair correndo pra achar medic-kits, que acredite, não são fáceis de se achar.
Um detalhe muito bom é o uso de estratégia, justamente pela destruição do cenário. Há inimigos no segundo andar e você não consegue subir? Então eles vão ter que descer, ache uma fenda no teto (claro, nem toda estrutura possibilita isso, mas se acha uma em cada missão pelo menos) e atire uma granada. O teto vem abaixo, e seus inimigos também.
Existem cerca de 15 armas, desde pistolas até lançadores de granadas. E ao terminar o jogo no nível Hard você libera uma M-16 com RPG acoplado, de quebra ela tem munição infinita. Isso trará mais boas horas de diversão ao jogador.



Pois bem, vamos à avaliação. O jogo é lindo, dá um show em gráficos. A versão de PS2 leva um pouco de vantagem sobre a do Xbox. Talvez pelo fato do PS2 ser um pouco mais carente de FPS de qualidade. (Xbox tem Halo que é supremo), Black é um diferencial para o console da Sony, temos Killzone que tem um ótimo enredo, Medal que é épico. Mas Black é único, diferente e muito divertido. Houve um grande hype durante o desenvolvimento do jogo, talvez por causa dele que Black não passou em branco. É um excelente game, o melhor FPS do PS2 na minha opinião, mas verdade seja dita. Se você comprá-lo terá um grande game de FPS, se não, também não vai perder muita coisa. É um ótimo jogo, mas não é indispensável.

Por hoje é isso, guardem os joysticks e apertem RESET!

Um comentário:

Comente, além de ser a nossa força para continuar, saberemos o que você acha do nosso trabalho.